SUA MENSAGEM

Bom Jesus da Lapa e a Segunda Guerra Mundial (1944)

(*)

O estopim que provocou definitivamente a entrada do Brasil na guerra pegou fogo entre fevereiro e agosto de 1942, quando navios mercantes brasileiros foram torpedeados por submarinos alemães, provocando no Brasil indignação generalizada: manifestações de rua, em campanha desenvolvida pela União Nacional dos Estudantes (UNE) e pela Liga de Defesa Nacional, passaram a exigir a declaração de guerra. Em agosto, caiu por terra a neutralidade do Brasil, primeiro com a declaração de rompimento das relações diplomáticas, no dia 22, e em seguida, com a declaração do estado de guerra contra a Alemanha e a Itália (¹). 


Atualmente a segunda Guerra Mundial parece-nos um episódio distante. Para o povo da época, os sertanejos embreados nas caatingas nordestinas certamente parecia mais distante ainda, não no sentido temporal, sim no sentido real da palavra.

Devido aos paupérrimos meios de comunicações da época, só era sabido aqui em Lapa sobre  os fatos da cinzenta guerra com atraso de dias, semanas e até meses. O povo ansiavam por informações, fazia conjecturas e distorcia os fatos.
Bom Jesus da Lapa


Um belo dia do mês de julho de 1944, pescadores, comerciantes, todo povo lapense correu para as margens do Velho Chico para ver a guerra. A guerra passeava por nossas terras e águas(²). Soldados, infantaria, capitães da extinta FEB (Força Expedicionária Brasileira) centenas de toneladas de materiais bélico deslizavam sobre as águas do Velho Chico. O destino era certo: França.
Desembarque dos soldados brasileiros na Europa


Todo aparato, homens e armas embarcaram em Pirapora-MG, foi uma estratégia ousada desenvolvida pelos presidentes Getúlio Vargas  e  Franklin Roosevelt (Estados Unidos) afim de  evitar novos torpedeamentos por parte  dos submarinos alemães aos navios brasileiros. Estrategicamente a  rota escolhida para se chegar até a Europa  foi o rio São Francisco, o rio da integração nacional, na época totalmente navegável. Dias depois nossos soldados estavam no front  francês.

Certamente alguns moradores da época pode contar com bem mais detalhes, melhor que eu, essa parte da nossa história, fica o convite: "Conte mais sobre esse episódio".

Por Irineu Magalhães

Referências:

(*) Contexto do livro "Bom Jesus da Lapa, antes, no tempo e depois de Monsenhor Turíbio" página 35 (1ª edição) - Antônio Barbosa



4 comentários:

  1. Interessante... Não conhecia esse episódio de nossa história..

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu nem sabia que o Rio São Francisco tinha sido utilizado com intenções belicosas. Descobri lendo um livro do Prof. Antonio Barbosa. Tem muita coisa bacana, que desconhecemos. Abraço meu caro.

      Excluir
  2. E quanto mais eu vivo, mais aprendo... Valeu Irineu Magalhães!!!

    ResponderExcluir
  3. Que interessante! Obrigada por nos manter informados sobre parte da história de Bom Jesus da Lapa-BA.Bjs!

    ResponderExcluir