SUA MENSAGEM

Lourenço Almeida - O escultor


Lourenço Almeida (44), também conhecido como Lourinho Almeida ou simplesmente "Lorin", é um escultor lapense nascido em Pesqueira - Pernambuco. Lourenço mudou-se para Lapa com toda sua família no ano de 1980.
Lourenço Almeida

"Quando chegamos aqui, parecia que a cidade estava acesa, vi aquela cidade radiante em luz, e disse pra mim mesmo, esse é o meu lugar". Conta Lourenço.

Antes de dedicar exclusivamente à arte de escultor, trabalhou como Office Boy no Banco do Brasil, e mais tarde trabalhou sete anos na Rádio Bom Jesus nas funções de sonoplasta e operador de transmissão. Trabalhou também na antiga Academia Master como instrutor.


"Carranca" inacabado.


Começou a esculpir no ano de 1995, "como hobby, afim de fugir do cão da rotina" diz ele, fez alguns trabalhos para amigos e familiares, as pessoas gostaram muito e influenciaram-no a fazer esculturas para vender. Nos anos seguinte ele larga definitivamente o trabalho na rádio para dedicar-se exclusivamente à escultura. "Não tinha intenção de ser artista, era pra ser apenas um passatempo, eu só queria fazer algo para me sentir útil, saca, algo que ocupasse meu tempo".

"Sempre fui um inveterado leitor de Quadrinhos (HQ), influenciado pelo meu irmão Antônio Júnior (escritor). Lia de tudo, Tex, Zagor, X-Man - Marvel, Liga da justiça, He-man, Homem Aranha, entre outros. Aquelas figuras surreais principalmente dos heróis Marvel, me chamava a atenção, coisa que me influenciou muito no ofício de escultor". Conta Lourenço com um sorriso largo.



Sua primeira peça foi  "O homem pelado" que ainda possui, "só necessita de uma pequena restauração" informa o artista. Depois veio "O gárgula gigante", onde utilizou uma técnica que ouviu de um hippie por nome de Cadáver.

Lourenço afirma não ter um traço definido em sua arte, nem predileções por materiais, usa de tudo: argila, papel marchê, cimento armado, epóxi, entre outros. Apesar de não ter um gênero artístico definido gosta muito da cultura regional, surrealismo, fantasia, mitologia e clássico, que são a base de suas esculturas. 

"Às vezes do nada, como um relâmpago, me vem uma ideia, e já tento uma forma para materializá-la. Essa aqui mesmo", fala artesão apontando para a peça de nome "O portal", "essa daqui é transcendental, é uma mistura do espiritual com o físico, uma imagem bem surreal", conclui.

O portal



No início da década de 2000, Lourenço começa a expor seus trabalhos em público, nessa mesma época, em uma exposição na Praça Marechal Deodoro, entre outros trabalhos apresenta "O Carbonizado" que é um homem (em papel marchê) sentado numa cadeira, como se tivesse morto, e por cima o artista cobriu-o com discos de vinil, logo em seguida incinerando. É uma imagem aterradora, muito surreal, mas de um  grande valor artístico. 

"O carbonizado" teve grande repercussão na época. "Ah, que saudades dos meus vinis de Yes, Pink Floyd, Sarah Vaughan". Diz Lourenço em tom de nostalgia, pois "O carbonizado" foi feito com esses discos.

"Essa daqui" fala Lourenço segurando para a escultura de nome "O E.T.". "Essa daqui, foi a pedido de uma pessoa que você conhece muito, observe na 'testona', no 'beição',  adivinha quem é?" Brinca Lourenço. "O E.T." é  Paulo Araújo, músico e cantor da banda Morão di Privintina, que é cunhado do escultor. 


"O E.T" 


"Spawn - o soldado do inferno" é uma das suas principais obras, de  valor inestimável, saído diretamente do cinema para as mãos do escultor.  "Spawn, já rodou de mão em mão por aí, até que meu sobrinho Luí, encontrou e trouxe de volta. Foi feita com 76 caixas de epóxi". Conclui.


"Spawn o soldado do inferno"



Lourenço possui um vasto trabalho, e atualmente além de continuar com suas obras de artes, ministra cursos, oficinas e palestras, em faculdades e escolas. No início de 2013, deu um curso de três dias no laboratório de geologia da faculdade UESB, em  Vitória da Conquista. são frequentes esses cursos nas cidades de Barreiras, Carinhanha, Paratinga, entre outras. Trabalha também como professor no projeto "Ponto de cultura - Território do Velho Chico".






Sou grato a Lourenço pela cordialidade ao qual fui recebido em sua residência. Obrigado!

>Texto, fotografia  e entrevista: Irineu Magalhães


Contato de Lourenço Almeida:
https://www.facebook.com/lui.almeida.56?fref=ts (Luí Almeida)
https://www.facebook.com/romulo.almeida1?fref=ts (Rômulo Almeida)


Contato de Sarau Lapense:
Email: irineumagalhaes@ymail.com
Facebook: https://www.facebook.com/irineu.magalhaes.1

Veja mais imagens abaixo:
Irineu Magalhães e Lourenço Almeida


"O tocador"  inacabado
"O portal"





4 comentários:

  1. Que maravilha, ver a arte do meu querido irmão sendo divulgada para o mundo... Valeu, Mestre Irineu. Como já disse: você é um Heroi, por valorizar e divulgar a cultura.

    Lourinho, aquele abraço. Continue firme e forte que eu ainda tenho umas esculturas pra encomendar, irmão...

    ResponderExcluir
  2. Me lembro bem quando Loro trabalhava no "carbonizado" e pedi que não queimasse os vinis do Jimi Hendrix e Janis joplin.Ele calmamente coloca o hendrix na cabeça da peça e o derrete com o incinerador.Pronto, ta de cabeça feita,diz ele.hehe.Vida longa Lorin e parabéns pelo texto Neu.NtC

    ResponderExcluir